Política, ideologia e informações médicas nas redes

A presente linha de pesquisa pretende compreender os comportamentos dos usuários de redes sociais como o YouTube e o Instagram diante de vídeos e posts médicos relacionados à pandemia do Coronavírus. Nesse sentido, procura-se entender como se dá o uso político e ideológico das informações médico-científicas divulgadas nas redes sociais citadas durante a pandemia.

Busca-se analisar eventos políticos, como a defesa presidencial da cloroquina, e sua relação com o conteúdo divulgado em páginas e canais de médicos nas redes sociais online. A metodologia consiste em análises computacionais dos comentários feitos pelos usuários nos canais e perfis dos médicos desde dezembro de 2019 a agosto de 2020.

A pandemia do coronavírus deixa claro que muitos conflitos podem se estabelecer na articulação ciência-governo. O teor ideológico e político de uma epidemia influem na comunicação dos emissores autorizados sobre medidas de prevenção, combate e controle da doença, seja pela desvalorização e deslegitimação pública da ciência, pela disseminação de informações falsas, pela tomada de decisões desarticuladas, entre outras situações que tendem a agravar a situação epidêmica do local. 

O conhecimento da ciência médica se subordina não somente ao rigor científico, se articulando dentro do campo político e ideológico. No caso da pandemia do coronavírus no contexto brasileiro, essa disputa assume contornos claros da defesa de um posicionamento político que interpreta o conhecimento científico de acordo com interesses para além dos da medicina. Nessa perspectiva, o “peso da autoridade” atua nas respectivas partes da díade entre defensores ou não-defensores de um conhecimento específico para determinado fim e isso alerta para os usos ideológicos que são feitos das informações médico-científicas, sob um viés de tensões e disputas. 

A coleta dos dados

A presente linha de pesquisa objetiva analisar como o conhecimento médico tem sido difundido e articulado através das redes sociais, especificamente no Instagram e no YouTube. Para isso, foram escolhidos oito médicos com diferentes histórias e posicionamentos que apresentam grande engajamento em seus perfis. São eles:

  1. Dr. Alain Dutra

Médico urologista e sócio proprietário da Clínica HRI – Health and Rehabilitation Institute e da Dr. Dutra e Rodrigues. É ativo nas redes sociais produzindo conteúdos no Facebook, no Instagram e no Youtube. Trata de informações médicas além da urologia, como em áreas de nutrição e, durante a pandemia de coronavírus, tem trazido conteúdos voltados a esse tema, defendendo o uso da ivermectina e dando bastante importância à relação da vitamina D com a prevenção da covid-19.



  1. Dr. Álvaro Galvão

Médico cirurgião vascular. Produz conteúdos nas redes sociais, principalmente no Instagram e no YouTube. Além de questões sobre varizes e outras ligadas à sua especialização, Álvaro Galvão defende nas redes o uso da ivermectina e da vitamina D de forma profilática. Gravou um vídeo no qual afirma que foi infectado pela covid-19 e não chegou a evoluir para as fases críticas da doença por ter tomado ivermectina, vitamina D e zinco quelato, e indica que os espectadores mantenham o uso desses medicamentos para prevenir a forma grave da covid-19 em caso de contaminação. Também defende a flexibilização do isolamento social. Foi desmentido pela mídia em razão do vídeo no qual afirma que a pandemia foi controlada no continente africano por meio do uso da ivermectina — informação considerada falsa. As matérias que desmentem tais informações também afirmam que não existe nenhuma evidência científica que comprove que o uso da ivermectina previna a evolução da doença para seus casos mais graves.

  1. Dr. Drauzio Varella

Médico, professor e pesquisador. Presente nas diversas mídias sociais abordando assuntos relacionados à saúde de maneira acessível. Dispõe de uma equipe coordenadora de seus perfis e canais. Possui milhões de seguidores no Facebook, Instagram, Twitter e Youtube. É presente na mídia televisiva, principalmente em quadros e matérias na Rede Globo, além de conceder inúmeras entrevistas e ser foco de matérias em jornais e revistas nacionais.



  1. Dr. Felipe Ades

Médico oncologista. Ativo nas redes sociais, principalmente Instagram e Youtube. Produz conteúdo sobre a sua área de especialização, a oncologia, bem como sobre a pandemia de coronavírus. É contra o uso de hidroxicloroquina, ivermectina e outras substâncias cuja eficácia contra a covid-19 não é cientificamente comprovada. Defende o isolamento social e o rastreamento dos infectados. 



  1. Dr. Fernando Gomes

Médico neurocirurgião e neurocientista, professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP, comunicador e autor de oito livros. É ativo no Facebook, no Instagram e no YouTube. Foi consultor para a Rede Globo entre 2013 e 2019, em 2019 para a Band e em 2020 para a CNN.



  1. Dr. Julio Pereira 

Neurocirurgião do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, Hospital São José e Hospital Sirio-Libanês. É ativo no Facebook, no Instagram e no YouTube. Possui pequena presença na mídia tradicional, dando entrevistas no canal do YouTube da Rede Viva, TV Aparecida e aos portais da Band, R7 e Jovem Pan.



  1. Dr. Lair Ribeiro

Médico cardiologista, professor universitário e escritor. Ativo nas redes sociais, produzindo conteúdos como podcast, entrevistas e palestras, respondendo algumas questões de nutrição e saúde em geral, além de divulgar seus conteúdos e cursos disponíveis em seu site oficial. Muito de seu conteúdo sofre ferrenhas críticas da comunidade científica médica por frequentemente estarem embasados em afirmações sem aceitação e respaldo científico. Presente em matérias principalmente da “mídia alternativa”, que divulga as afirmações de Lair em seus vídeos e entrevistas. Defende a cloroquina e a ozonioterapia para o combate da covid-19.

  1. Dra. Lucy Kerr

Médica e sócia majoritária de clínicas e institutos de pesquisa. É presente nas redes sociais como profissional médica pelo nome de seu Instituto. Produz conteúdo principalmente no Instagram e no YouTube. Obteve grande repercussão por meio de seus vídeos defendendo e promovendo o uso da hidroxicloroquina e da ivermectina para o tratamento da covid-19. Não é muito presente na imprensa.




Inicialmente, coletamos os comentários de playlists sobre o coronavírus nos seus canais no YouTube. Foram coletados 66117 comentários em 250 vídeos. Já a coleta em seus perfis do Instagram foi feita nos posts de dezembro de 2019 a agosto de 2020, totalizando 1590 posts dos oito médicos citados no período. Desses posts, foram coletados 267.755 comentários de um total de 323.087 devido a limitações do algoritmo do Instagram. Em aproximadamente 10 posts do universo dos 1590 não houve comentários coletados, o que pode indicar que o perfil não permitia comentários nesses posts. Na média, 95.9% dos comentários totais foram coletados. Considerando apenas a temática da covid-19, temos 429 posts nos oito perfis.

Dessa forma, foi realizada a coleta de todos os comentários do Youtube e de todos que podiam ser coletados do Instagram de acordo com as limitações do algoritmo, gerando assim a base de dados utilizada para as análises computacionais que serão apresentadas adiante. 

Estatísticas Gerais

Abaixo temos algumas informações sobre os dados coletados do Youtube. Tais dados são referentes apenas aos vídeos relacionados a COVID-19 no período de Março à Agosto de 2020.

Tabela 1: Informações gerais sobre dados coletados no Youtube

Dados
Quantidade de vídeos coletados250
Quantidade de comentários66117
Quantidade de usuários que comentaram32910
Media de comentários por usuário2

Tabela 2: Estatísticas Gerais dos comentários coletados no Youtube

ComentáriosRespostas
CanalContagemmédiadesvio padrãomin25%50%75%maxcontagemmédiadesvio padrãomin25%50%75%max
Dr. Alain Dutra7869.3.6220.0.1.2160011823.515.981113501
Dr. Alvaro Galvão19343.922.300025062733.496.8111362
Dr. Felipe Ades MD PhD2561.02.6000134393.13.112415
Dr. Fernando Gomes8410.170.5100005331.41.011126
Dr. Lair Ribeiro Oficial15392.58.200121461813.24.01112439
Drauzio Varella258463.833.20001211128553.958.51124167
Julio Pereira – Neurocirurgião199573.140.20001316122375.9517.91124364
Lucy Kerr78753.313.5001244410253.86.71123102

Temos que 32910 usuários fizeram em média 2 comentários nos vídeos coletados do YouTube. Em relação ao número de comentários em suas playlists, os canais do Dr. Dráuzio Varella e do Dr. Júlio Pereira se destacam. Além disso, é possível notar que o canal do Dr. júlio pereira chega a ter 3161 comentários em um único vídeo e que a média de respostas por comentários chega a quase 6, chegando ao número de 364 respostas em um único comentário.
Esses números revelam uma alta taxa de engajamento por parte do público, como podemos observar no gráfico abaixo.

Apesar deste primeiro gráfico nos dar a dimensão dos canais, usá-lo para medir o engajamento não é uma boa ideia, pois os canais possuem uma grande diferença na quantidade de inscritos.
Portanto, não seria justo comparar um canal que tem 13,7 mil inscritos com um de 2,5 milhões de inscritos.

Tabela 3: Quantidade de inscritos por canal – Números referentes ao dia 10/09/2020.

Dr. Álvaro GalvãoDr. Alain DutraDr. Felipe AdesDr. Fernando GomesDr. Lair RibeiroDra. Lucy KerrDr. Julio PereiraDr. Drauzio Varella
13,7 Mil261 Mil37,5 Mil18,1 Mil938 Mil90,7 Mil124 Mil2,57 Mi

Para corrigirmos este problema podemos usar uma técnica estatística chamada de normalização. Essa técnica coloca todas as variáveis na mesma ordem de grandeza, dentro de um intervalo que vai de 0 à 1.
Neste caso nós dividimos a quantidade de comentários pelo número de inscritos em seus respectivos canais, assim é possível ver quais canais tiveram um engajamento relativo maior que os outros.

No gráfico acima os canais que mais se destacaram durante o período da pandemia foram os dos Doutores Alvaro Galvão, Julio Pereira e o canal da doutora Lucy Kerr.

A tabela a seguir mostra as estatísticas gerais para cada um dos perfis dos médicos no Instagram considerando a coleta geral.

Tabela 4: Estatísticas gerais por perfil no Instagram (01/12/2019 – 31/08/2020)

Perfil (usuário)NomeNúmero de postsNúmero de comentáriosMédia de comentários por postNúmero de curtidasMédia de curtidas por postNúmero de vídeosNúmero de visualizaçõesMédia de visualizações por vídeo
dr.galvaoDr. Álvaro Galvão893403.8623870.132392551226.7
dralaindutraDr. Alain Dutra5311211422.9192438362.4642659594155.6
drfelipeadesDr. Felipe Ades191647833.994309493.8481635793407.9
drfernandoneuroDr. Fernando Gomes350145311415.221940196268.682259093231596.7
drlaimrribeiroDr. Lair Ribeiro10638728365.411069591044355493254389682.6
imedlkepDra. Lucy Kerr1047747.72355235.56353475891.2
juliommaisDr. Julio Pereira1184573.9982283.21918004947.6
sitedrauziovarellaDr. Drauzio Varella195126178647.1229545911771.6839557403115149.4

Para analisar apenas o conteúdo que estava diretamente relacionado ao tema de estudo do projeto, a pandemia de coronavírus e suas implicações políticas, econômicas e sociais, iniciou-se um processo de filtragem e unificação dos dados para que somente as postagens associadas ao assunto fossem analisadas.
Após a coleta inicial, uma segunda coleta foi feita, de forma a filtrar os posts recolhidos não só pelo período de interesse, mas também por palavras de interesse relacionadas ao assunto.
Dessa forma, foram coletados os posts que continham, em suas legendas, alguma das seguintes palavras: “ivermectina”, “isolamento”, “quarentena”, “pandemia”, “corona” e “covid”.

A série temporal abaixo apresenta os posts mensais relacionados que são relacionados à pandemia, com valores normalizados. Em seguida, os padrões de postagem são detalhados individualmente.

Captura de Tela 2020-10-29 às 21.07.44.png

Dos 89 posts do Dr. Álvaro Galvão, 41 estão relacionados à covid-19, ou seja, 46%. Os posts de março foram os mais curtidos e comentados.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.32.58.png

Dos 531 posts do Dr. Alain Dutra, 114 estão relacionados à covid-19, ou seja, 21.5%. Seus posts sobre a pandemia tiveram mais comentários em julho.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.28.36.png

Dos 195 posts do Dr. Dráuzio Varela, 98 estão relacionados à covid-19, ou seja, 50.2%. Seus posts de março foram mais curtidos e comentados.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.47.10.png

Dos 191 posts do Dr. Felipe Ades, 28 estão relacionados à covid-19, ou seja, 14.6%. Março foi o mês de maior postagem e engajamento em relação à pandemia.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.37.02.png

Dos 350 posts do Dr. Fernando Gomes, 116 estão relacionados à covid-19, ou seja, 33.1%. Maio foi o mês de maior postagem e engajamento.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.38.47.png

Dos 118 posts do Dr. Júlio Pereira, 22 estão relacionados à covid-19, ou seja, 18.6%. Março foi o mês de maior postagem e engajamento.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.45.27.png

Dr. Lair Ribeiro tem menor frequência de posts no Instagram. Dos 106 posts no período coletado, apenas 4 estão relacionados à covid-19, ou seja, 3.7%.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.41.07.png

Dra. Lucy Kerr também tem baixa frequência de posts no Instagram. Dos 10 posts no período coletado, 6 estão relacionados à covid-19.

Captura de Tela 2020-10-29 às 20.43.14.png

A partir da análise dos gráficos apresentados, observa-se que, na maioria dos perfis estudados, houve um pico de engajamento dos usuários no mês de março, o que demonstra a intensificação do debate sobre questões relacionadas à covid-19 nas mídias sociais durante esse período.
No entanto, considerando todo o período analisado, as oscilações de engajamento em cada perfil diferem significativamente, o que evidencia a diferença do conteúdo abordado e do posicionamento adotado por cada médico e, além disso, da percepção que os usuários têm sobre tal conteúdo.

Co-ocorrência e frequências das palavras

Aqui serão apresentados os estudos feitos quanto à co-ocorrência e frequência relativa de palavras. Estas duas análises léxicas objetivam caracterizar o vocabulário utilizado através de diferentes ângulos: por rede social – YouTube e Instagram-, por perfil médico e, também, por gênero. Por um lado, a observação das frequências relativas nos permite comparar a utilização de palavras entre, por exemplo, os diferentes perfis, mostrando o que está sendo dito pelos usuários em cada um deles e extraindo as palavras cuja utilização mais se diferencia entre os perfis e que, por isso, podem ser relevantes. De forma complementar, a análise de co-ocorrência de termos nos possibilita observar o que as pessoas estão dizendo em torno de tópicos específicos, bem como avaliar a forma como as palavras envolvidas se relacionam dentro dos comentários.

As figuras abaixo apresentam um tipo de visualização denominada grafos. Nesse tipo de representação o tamanho dos círculos remetem à frequência relativa de cada palavra, ou seja, quanto maior, mais aquele termo foi utilizada. Por sua vez, as arestas exibem a co-ocorrência de duas palavras. Assim, o tom escuro e a largura da linha demonstram a intensidade em que os termos em questão aparecem juntos nos comentários analisados

1 / 9
Youtube
2 / 9
Dr. Drauzio Varella
3 / 9
Dr. Felipe Ades
4 / 9
Dr. Fernando Gomes
5 / 9
Dr. Lair Ribeiro
6 / 9
Dr. Julio Pereira
7 / 9
Dra. Lucy Kerr
8 / 9
Dr. Alain Dutra
9 / 9
Dr. Alvaro Galvão



1 / 9
Instagram
2 / 9
Dr. Drauzio Varella
3 / 9
Dr. Felipe Ades
4 / 9
Dr. Fernando Gomes
5 / 9
Dr. Lair Ribeiro
6 / 9
Dr. Julio Pereira
7 / 9
Dra. Lucy Kerr
8 / 9
Dr. Alain Dutra
9 / 9
Dr. Alvaro Galvão


Os perfis também foram analisados observando uma métrica denominada likelihood ratio, a qual nos dá uma medida do quão provável é que duas palavras - bigramas - apareçam juntas nos textos em questão. É importante ressaltar que consideramos apenas os bigramas com uma ocorrência mínima de 10 vezes. Abaixo temos aqueles com maior pontuação em cada perfil:

Tabela 5: Likelihood ratio - Canais do YouTube

Dr. Alain Dutra Dr. Alvaro Galvão Dr. Felipe Ades MD PhD Dr. Fernando Gomes Dr. Lair Ribeiro Oficial Drauzio Varella Julio Pereira - Neurocirurgião Lucy Kerr
0 ('3', 'dias'), 2971.1614 ('15', 'dias'), 1378.5572 ('gracas', 'deus'), 189.1119 ('deus', 'abencoe'), 152.9016 ('covid', '19'), 667.2261 ('falta', 'ar'), 6477.9971 ('olfato', 'paladar'), 8819.7351 ('covid', '19'), 2978.2009
1 ('deus', 'abencoe'), 2765.9256 ('dose', 'unica'), 763.0824 ('falta', 'ar'), 167.4479 ('noite', 'dr'), 54.2452 ('deus', 'abencoe'), 524.5080 ('covid', '19'), 4773.2755 ('dor', 'cabeca'), 7413.0781 ('deus', 'abencoe'), 2737.6053
2 ('dias', 'seguidos'), 1933.9810 ('deus', 'abencoe'), 643.8349 ('dor', 'cabeca'), 109.3210 ('enlightening', 'dr'), 46.1625 ('ministro', 'saude'), 339.0476 ('grupo', 'risco'), 2960.6961 ('falta', 'ar'), 7290.5037 ('15', 'dias'), 2233.4291
3 ('3', 'comprimidos'), 1923.1002 ('1', 'comprimido'), 632.6884 ('covid', '19'), 101.0323 ('noite', 'noite'), 23.3059 ('sars', 'cov'), 178.9510 ('99727', '3349'), 2534.8621 ('gracas', 'deus'), 6791.6703 ('07', '2020'), 1415.1100
4 ('15', 'dias'), 1854.4786 ('covid', '19'), 614.4073 ('deu', 'positivo'), 95.4535 ('parabens', 'dr'), 18.8728 ('aquecimento', global'), 160.3454 ('71', '99727'), 2505.4101 ('sentir', 'cheiro'), 5798.8022 ('3', 'dias'), 1395.1409
5 ('covid', '19'), 1728.2794 ('3', 'comprimidos'), 488.0980 ('deus', 'abencoe'), 91.1880 ('dr', 'parabens'), 8.8108 ('oleo', 'coco'), 160.3134 ('todo', 'mundo'), 2357.1603 ('covid', '19'), 5004.5172 ('gracas', 'deus'), 1318.0545
6 ('30', 'dias'), 1508.8556 ('121', '150'), 477.1921 ('muita', 'dor'), 85.7620 ('dr', 'dr'), 0.1863 ('cidade', 'wuhan'), 157.6183 ('watsszzap', '71'), 2136.8254 ('cheiro', 'gosto'), 4394.6133 ('dias', 'seguidos'), 1211.9475
7 ('durante', '3'), 1490.4699 ('91', '120'), 468.2298 ('14', 'dias'), 83.2608 None ('sistema', 'imunologico'), 132.5146 ('alcool', 'gel'), 2100.7241 ('sinto', 'cheiro'), 2962.6106 ('efeitos', 'colaterais'), 1075.3820
8 ('vitamina', 'c'), 1366.1916 ('2', 'comprimidos'), 463.5051 ('deu', 'negativo'), 65.1226 None ('corona', 'virus'), 88.2993 ('mando', 'watsszzap'), 2035.8714 ('deus', 'abencoe'), 2387.4811 ('3', 'comprimidos'), 914.1236
9 ('comprimidos', 'diarios'), 1253.0735 ('61', '90'), 457.9015 None None ('gente', 'grande'), 77.9570 ('gracas', 'deus'), 2006.6013 ('corona', 'virus'), 2381.8307 ('1', 'comprimido'), 891.4525

Nos resultados referentes ao Youtube (Tabela 5) observa-se as características de cada canal analisado. Porém, em todos eles encontra-se bigramas que mencionam "Deus". Por exemplo, nos canais dos médicos Alain Dutra, Alvaro Galvão e Lucy Kerr bigramas como "3 dias", "15 dias", "30 dias", "comprimidos diários" e "vitamina c" aparececem de forma recorrente. Tais bigramas, mencionam diretrizes de como utilizar certos medicamentos, sem eficiência comprovada contra a Covid-19, debatidos recorrentemente nas redes sociais.

Por sua vez, nos canais dos médicos Felipe Ades e Júlio Pereira os bigramas relacionados aos sintomas e testes do Coronavírus são os mais comuns. Os usuários geralmente utilizam as seguintes palavras que correlacionam diretamente com os sintomas: "falta, ar", "dor, cabeça", "olfato, paladar" e "sentir cheiro". Além disso, alguns comentários do canal do Dr. Felipe Ades contém os resultados de exames com "deu negativo" e "deu positivo".

No canal do Dráuzio Varella os bigramas não seguem apenas uma linha. As palavras que mais co-ocorrem são "falta ar", "covid 19", "grupo risco" e "álcool gel". A partir disso pode-se inferir que as pessoas que frequentam o canal estão preocupadas com sintomas, pessoas do grupo de risco e medidas de higiene. Enquanto isso, no canal do médico e comentarista Fernando Gomes nenhum dos bigramas se relacionam com a Covid-19. Muitos deles, na verdade, parabenizam o trabalho do youtuber.

Tabela 6: Likelihood ratio - Comentários coletados no Instagram

dr.galvao dralaindutra drfelipeades drfernandoneuro drlairribeiro imedlkep juliommais sitedrauziovarella
0 ('ji', 'parana'), 54.5451 ('vitamina', 'd'), 1347.8212 ('grupo', 'risco'), 220.9018 ('deus', 'abencoe'), 4656.2532 ('ministro', 'saude'), 227.4178 ('dose', 'unica'), 173.0865 ('deus', 'abencoe'), 60.4684 ('covid', '19'), 2255.1246
1 ('15', 'dias'), 47.5865 ('vit', 'd'), 223.9789 ('deus', 'proteja'), 110.5750 ('god', 'bless'), 2544.2310 ('sistema', 'imunologico'), 144.4095 ('deus', 'abencoe'), 113.5155 ('feliz', 'aniversario'), 59.0635 ('grupo', 'risco'), 1899.9021
2 ('parabens', 'dr'), 19.6336 ('deus', 'abencoe'), 220.0690 ('parte', 'grupo'), 74.2043 ('covid', '19'), 1900.8826 ('sistema', 'imune'), 132.1187 ('15', 'dias'), 96.6759 ('parabens', 'deus'), 34.4717 ('conhecer', 'literar'), 1603.1600
3 None ('3', 'dias'), 199.9784 ('deus', 'abencoe'), 74.0694 ('don', 't'), 1746.1461 ('auto', 'hemoterapia'), 100.2824 ('estudos', 'clinicos'), 95.1132 ('deus', 'continue'), 31.1745 ('vem', 'conhecer'), 1478.6153
4 None ('covid', '19'), 199.9375 ('uso', 'tamoxifeno'), 62.2049 ('dia', 'dr'), 1456.9208 ('sarah', 'chaves'), 88.3356 ('leda', 'nagle'), 91.5864 None ('deus', 'abencoe'), 1331.9363
5 None ('000', 'ui'), 180.8590 ('tomar', 'vacina'), 60.7463 ('it', 's'), 1336.2305 ('deus', 'abencoe'), 87.3094 ('0', '2xpeso'), 89.8115 None ('falta', 'ar'), 1324.4095
6 None ('industria', 'farmaceutica'), 163.7747 ('vacina', 'gripe'), 57.1539 ('take', 'care'), 1298.6242 ('medicina', 'chinesa'), 78.5720 ('gostaria', 'saber'), 88.5456 None ('literar', 'drauziocomliterarse'), 1254.3642
7 None ('gracas', 'deus'), 157.4870 ('muita', 'gente'), 53.6998 ('saint', 'petersburg'), 1207.8674 ('material', 'gratuito'), 75.4377 ('2xpeso', 'mg'), 87.9315 None ('ficar', 'casa'), 1044.3225
8 None ('15', 'dias'), 150.8676 ('cancer', 'mama'), 53.0896 ('stay', 'safe'), 1194.0562 ('bio', 'vido'), 70.0309 ('efeitos', 'colaterais'), 85.4514 None ('gostaria', 'saber'), 893.6382
9 None ('gostaria', 'saber'), 149.0100 ('fique', 'casa'), 49.3005 ('sofiya', 'ivanova'), 1177.5470 ('clique', 'linktree'), 70.0309 ('sociedades', 'medicas'), 79.7357 None ('obrigada', 'dr'), 831.4609

Na Tabela 6, os perfis do Instagram, dos mesmos médicos do Youtube, foram analisados a partir da Likelihood Ratio. Inicialmente, observa-se que os perfis dos médicos Álvaro Galvão e Julio Pereira não apresentam uma lista longa de bigramas. Além disso, os bigramas encontrados nos perfis do Instagram não são exatamente os mesmos dos canais do Youtube, oque sugere uma diferença no tipo de engajamento e no público alvo. No perfil do Dr. Álvaro Galvão, 3 bigramas são listados: "ji parana", "15 dias" e "parabens dr". Apenas o segundo é comum a um dos bigramas encontrados em seu canal do youtube, que também remete à uma diretriz para o uso de certos medicamentos.

No perfil médico de Alain Dutra, alguns bigramas coincidem com os vistos anteriormente no youtube. Observam-se menções ao uso de medicamentos vitamina D ("vitamina d" e "vit. d"), "3 dias" e "15 dias". Vale ressaltar que a eficiência da Vitamina D não foi comprovada (https://saude.abril.com.br/medicina/vitamina-d-para-evitar-o-novo-coronavirus-faz-sentido/). Por sua vez, no perfil do Dr. Lair Ribeiro, os bigramas mais encontrados no Intagram não coincidem com os encontrados em seu canal no Youtube. As palavras que mais co-ocorrem em seu perfil são "ministro saude", "sistema imunologico", " sistema imune" e "auto hemoterapia". Os três últimos bigramas remetem à um tratamento bastante defendido pelo médico, que na sua visão aumentaria a imunidade. É crucial ressaltar que a auto hemoterapia não possui nenhum respaldo científico e é considerada infração sanitária pela ANVISA (https://saude.mg.gov.br/ostomizados/story/2170-radio-%7C-auto-hemoterapia-nao-tem-respaldo-cientifico-sesmg).

O perfil da médica Lucy Kerr (imedlkep) os bigramas mais encontrados são "dose unica", "deus abencoe", "15 dias", "estudos clinicos" e "leda nagle". O primeiro bigrama reflete a posição da médica em relação à ivermectina, cuja eficiência foi comprovada apenas em testes in vitro utilizando uma alta dosagem como um atigo publicado na Antiviral Research em junho de 2020.

Nos comentários retirados dos posts no perfil do Dr. Felipe Ades aparecem bigramas, relacionados com o Coronavírus, como "grupo risco", "tomar vacina" e "fique casa". Além disso, existem outros bigramas que remetem à especialidade do médico, oncologia. No perfil do Dr. Fernando Gomes muitos bigramas estão em lingua inglesa e somente o bigrama "covid 19" está correlacionado à pandemia.

No perfil do Dr. Dráuzio observa-se uma quantidade considerável de bigramas conectados à Covid-19. A co-ocorrência de "covid 19", "grupo risco", "falta ar" e "fique casa" são os exemplos com maior likelihood. Já no perfil do Dr. Júlio Pereira, apenas 4 bigramas foram expressivos, e nenhum remete ao vírus.

Por fim, apresentamos abaixo as palavras com maior frequência relativa em cada canal:

Tabela 7: Frequência relativa por canal do YouTube

Dr. Alain Dutra Dr. Alvaro Galvão Dr. Felipe Ades MD PhD Dr. Fernando Gomes Dr. Lair Ribeiro Oficial Drauzio Varella Julio Pereira - Neurocirurgião Lucy Kerr
0 ('0.0195', 'dias') ('0.0201', 'dias') ('0.0288', 'dias') ('0.0616', 'dr') ('0.0272', 'dr') ('0.0097', 'dr') ('0.0210', 'dias') ('0.0158', 'ivermectina')
1 ('0.0141', 'tomar') ('0.0148', 'ivermectina') ('0.0164', 'dia') ('0.0189', 'noite') ('0.0108', 'virus') ('0.0086', 'virus') ('0.0143', 'deus') ('0.0112', 'dias')
2 ('0.0133', 'ivermectina') ('0.0138', 'dr') ('0.0164', 'covid') ('0.0186', 'parabens') ('0.0070', 'deus') ('0.0086', 'video') ('0.0143', 'cheiro') ('0.0101', 'dra')
3 ('0.0114', 'dr') ('0.0135', '15') ('0.0158', 'sintomas') ('0.0071', 'lindo') ('0.0056', 'saude') ('0.0077', 'pessoas') ('0.0142', 'olfato') ('0.0080', 'tomar')
4 ('0.0101', 'comprimidos') ('0.0129', 'comprimidos') ('0.0152', 'dor') ('0.0068', 'dia') ('0.0050', 'video') ('0.0054', 'casa') ('0.0138', 'paladar') ('0.0070', 'deus')
5 ('0.0084', 'deus') ('0.0125', 'tomar') ('0.0142', 'deu') ('0.0061', 'deus') ('0.0048', 'pessoas') ('0.0047', 'dia') ('0.0108', 'dor') ('0.0065', 'covid')
6 ('0.0077', 'dia') ('0.0079', 'dose') ('0.0124', 'deus') ('0.0059', 'obrigada') ('0.0045', 'mundo') ('0.0045', 'senhor') ('0.0091', 'sinto') ('0.0056', 'comprimidos')
7 ('0.0076', 'pode') ('0.0068', 'kg') ('0.0108', 'positivo') ('0.0054', 'doutor') ('0.0045', 'medico') ('0.0045', 'pode') ('0.0090', 'sentir') ('0.0054', 'dr')
8 ('0.0062', 'dose') ('0.0067', 'parabens') ('0.0096', 'teste') ('0.0050', 'amor') ('0.0042', 'covid') ('0.0045', 'dias') ('0.0088', 'gosto') ('0.0053', 'dia')
9 ('0.0061', 'covid') ('0.0063', 'pode') ('0.0090', 'dr') ('0.0042', 'excelente') ('0.0039', 'china') ('0.0042', 'deus') ('0.0084', 'sintomas') ('0.0051', 'pode')

Análise de sentimentos

Análise de polaridade ou sentimento (também conhecida como mineração de opinião) se refere ao uso de processamento natural de linguagem, análise textual, linguística computacional e biometria para sistematicamente identificar, extrair, quantificar e estudar estados afetivos e informação subjetiva em documentos de texto.

Para esse estudo o SentiStrength foi a ferramenta escolhida para realizar a análise de polaridade nos comentários coletados no Instagram e no Youtube (para mais informações sobre a coleta, acesse a seção "Coleta de dados"). O funcionamento se baseia em uma lista de palavras pré-determinada e radicais que possuem scores e remetem a um sentimento positivo, negativo ou neutro.  Em um texto, as palavras são separadas e comparadas com essa lista, extraindo-se a menor e a maior pontuação de cada frase.

SentiStrength

SentiStrenght_logo

Desse modo, o SentiStrength estima a força do sentimento positivo e negativo em textos curtos, mesmo para linguagem informal. Além disso, possui precisão de nível humano para textos curtos da web em inglês, exceto textos políticos. O SentiStrength relata duas forças de sentimento:

-1 (não negativo) até -5 (extremamente negativo)

1 (não positivo) até 5 (extremamente positivo)

Por que ele usa duas pontuações? Porque a pesquisa da psicologia revelou que processamos sentimentos positivos e negativos em paralelo - portanto, emoções mistas.

Veja abaixo algumas a análises de sentimentos:

Frase Sentimento Positivo Sentimento Negativo
Eu te amo, mas odeio o clima político atual. 1 -4
Achei o seu vídeo muito ruim 3 -2
Achei o seu vídeo muito bom 3 -1
Achei interessante 1 -1

Análise de Sentimento dos Comentários nos perfis Selecionados - Instagram e Youtube

Para podermos observar mais claramente o sentimento que prevalece nos comentários do público nas interações dos perfis de cada respectivo médico, é interessante observar o valor da soma dos scores de sentimentos positivo e negativo. Para tal, foram calculadas as médias mensais desses dados, as quais estão dispostas a seguir:

Youtube

Gráfico Geral

Ao observar os gráficos gerados pela análise de sentimento, podemos verificar que o Doutor Lair Ribeiro teve em seu canal do YouTube um sentimento negativo, quando olhada a soma do SentiStrength no início da pandemia, que foi aos poucos se tornando mais positivo. Isso pode acontecer devido ao caráter mais informativo do canal, tendo um início com um tom mais claro e agressivo. Logo no primeiro vídeo do canal, durante o período coletado sobre a pandemia, podemos notar uma comparação feita das taxas de contaminação e mortalidade do COVID-19 com as taxas da gripe H1N1.

À medida que  avançamos no tempo até o mês de junho podemos ver uma subida gradual da medida de sentimento geral dos comentários do canal do médico. Uma possível razão para esse acontecimento é a forma como o tema da pandemia foi tratado no canal durante estes meses, com a presença de lives mais longas do que os anteriores vídeos curtos, sobre o assunto. A diferença do conteúdo é que os vídeos feitos durante maio e junho tinham como assunto a procura do entendimento da pandemia e de como o vírus parecia agir. Podemos ver que há uma nova queda no sentimento geral dos visualizadores do canal durante os meses de julho e agosto, possivelmente devido ao alongamento do lockdown, junto da evolução da pandemia pelo mundo e no Brasil.

Algo similar acontece no canal do dr. Alain Dutra, porém um comportamento levemente diferente ocorre durante os meses de maio e junho, uma estabilização num sentimento positivo, seguido de uma queda abrupta na medida do sentimento dos comentários. Isso possivelmente se deve a o conteúdo mais otimista do canal, recomendando remédios caseiros para evitar, ou tratar o vírus. A queda pode ter ocorrido devido a radicalização dos comentários tanto do médico, como de seu público contra a mídia.

Já analisando os dados coletados do canal do Dr. Álvaro Galvão, é perceptível que mais próximo do início da crise do Covid-19 no país, era majoritariamente positivo. Entretanto, essa taxa entrou em queda constante, até que, mais a frente na pandemia, a soma das médias dos scores positivos e negativos estabilizou-se em um valor negativo. Vale lembrar que os meses em que o Dr. Galvão postou conteúdo foram maio, julho e agosto, sendo o mês de maio representado no gráfico geral por apenas um ponto, a visualização detalhada no gráfico geral pode ser um pouco complicada. Tendo isso em perspectiva, é possível observar mais a fundo a curva em questão no gráfico individual.

Ao analisar os comentários durante esse período, é viável inferir que uma possível causa para essa discrepância seja que, durante os períodos iniciais da pandemia, o público do canal estava, em sua maioria, esperançoso com as mensagens do médico, que comunicava sobre a importância de não sentir medo e como remédios preventivos estavam tendo resultados vantajosos no tratamento. Todavia, são notáveis que, aproximando-se do mês de agosto, mais comentários criticando as medidas de isolamento e uma dita “extremização da mídia” surgiram, o que potencialmente elevou o score negativo. O surgimento desse tipo de pronunciamento pode estar ligado ao desgaste físico e psicológico da população relacionado ao extenso período de quarentena.

Um caso especial nessa análise é o que diz respeito ao Dr. Felipe Ades, como pode-se ver, o gráfico referente às médias das somas dos sentimentos positivos e negativos do Dr. Felipe Ades está vazio. Isso ocorreu devido ao médico em questão ter tido interações com o público relacionadas ao Covid-19, em seu canal do Youtube, somente em agosto, de forma que a média mensal representasse apenas um ponto no gráfico (não possui dimensões), o que impossibilitou a visualização. Entretanto, através dos dados numéricos, foi calculado em agosto, mês em que ocorreram comentários direcionados ao assunto alvo, uma soma média do SentiStrength de -0.30078

Percebe-se que, apesar de tratar-se de uma pandemia e os vídeos tenderem para um teor levemente pessimista, os comentários não demonstram um score de sentimento negativo muito elevado. É possível inferir que um provável motivo para esse comportamento seja a confusão da população com o bombardeio de informação, tanto otimista quanto pessimista, tendo em vista que parte dos comentários configura indagações sobre em que acreditar.

Em contrapartida, os vídeos no canal do Dr. Fernando Gomes postados durante o período de coleta, é perceptível a tendência otimista no discurso do médico. Dessa forma, essa é, possivelmente, uma das principais razões que levam a soma das médias de sentimento dos comentários no mês de abril ser alta. Entretanto, apesar de o interlocutor manter o mesmo estilo de mensagem, ao ler os comentários, percebe-se que o público começou a ficar inquieto com a quarentena duradoura e a criticar as medidas tomadas por governantes em prol dela, bem como a mídia que defende o isolamento, semelhante ao que aconteceu com o estilo de comentário público do Dr. Galvão em certo momento.

Entretanto, os espectadores do canal parecem tender a voltar para o comportamento inicial após alguns meses de isolamento, o que pode indicar a adaptação do assinante à nova realidade. Nessa perspectiva, os comentários voltam a ser compostos majoritariamente de elogios a partir de agosto, o que potencialmente justifica o aumento do valor da soma das médias de sentimento positivo e negativo.

Nessa perspectiva, Dra. Lucy Kerr introduziu em seu canal do youtube a discussão quanto a pandemia com um vídeo em que defende os mesmos ideais disseminados nos vídeos do Dr. Fernando Gomes  e do Dr. Galvão, mas de maneira bem mais agressiva. Nele podemos observar uma grande quantidade de comentários criticando a mídia, os governantes, e pessoas contra o uso da ivermectina para contenção do vírus, essa pode ser a possível causa do baixo valor pela detecção de sentimentos. Essa tendência pode também ser observada durante os outros dois meses coletados, e uma possível justificativa de um sentimento maior no mês de julho pode ter acontecido devido a ausência de vídeos sobre o tema, já no mês de agosto a nova queda possivelmente tem relação com o tema do tratamento precoce referente ao vírus SARs COV-2, sobre o qual a doutora postou em seu canal um conjunto de vídeos com um projeto para a implementação desse tratamento. Essa temática abordada pode ter trazido novamente pro canal comentários agressivos contra a imprensa e governantes.

Por outro lado, Júlio Pereira pautou a parte majoritária do seu discurso no youtube em comentar as precauções a se tomar quanto ao coronavírus, explicitar sintomas provenientes da infecção e ressaltar a importância de verificar a autenticidade dos meios pelos quais tem-se acesso a informações sobre a pandemia, distinguindo-se notavelmente do discurso de parte considerável dos médicos já mencionados. Nessa perspectiva, o público que comentava nos vídeos de seu canal apresentava, em sua maioria, uma preocupação maior quanto às consequências de uma possível infecção (quando comparado com parte dos outros canais analisados). Dessa maneira, muitos comentários referiam-se a sintomas vivenciados por aqueles que tiveram contato com o Covid-19 ou à apreensão com relação a situação naquele momento, de forma a apresentar um teor consideravelmente negativo.

É observável no gráfico que esses comentários negativos agravaram-se com o passar dos meses desde o começo da pandemia, o que potencialmente está relacionado com o aumento do número de casos no Brasil. Entretanto, uma leve elevação pode ser notada entre o mês de julho e agosto, o que possivelmente pode estar correlacionado com o princípio de uma adaptação ao “novo normal”, sendo semelhante, nesse ponto especificamente, à mesma fase da análise do Dr. Fernando Gomes.

Por fim, é notável que apesar de, à primeira vista, haver um aumento na pontuação do SentiStrength referente aos comentários dos vídeos do Dr Dráuzio entre os meses de maio e julho, eles permanecem sempre negativos. Esse score baixo possivelmente está relacionado com a maneira com que o médico aborda o assunto: realista e objetiva. O canal apresenta, em sua maioria, vídeos curtos sobre o coronavírus que evidenciam a gravidade da pandemia, assemelhando-se em muitos aspectos às ideias propagadas pelo Dr. Julio Pereira. Esse teor negativo é refletido nos comentários, tendo um score consideravelmente próximo, no período de maio à agosto, ao do médico mencionado logo antes.

Gráficos Individuais

Lair Ribeiro

Alain Dutra

Álvaro Galvão

Felipe Ades

Fernando Gomes

Lucy Kerr

Julio Pereira

Dráuzio Varella

Instagram

Gráfico Geral

Podemos reparar que em janeiro, no perfil do doutor Alain Dutra, os posts sobre o covid-19 tiveram um score negativo em relação aos comentários. Uma possível razão para isso é que, por ser o início da pandemia no mundo, as pessoas tinham ainda certo medo em relação ao que poderia acontecer, além disso as hashtags utilizadas pelo médico relacionando o vírus com a China podem ser outro motivo que favoreceu essa medida negativa. Com o passar do tempo podemos notar esse score subindo gradualmente, à medida que o médico começou a relacionar o conteúdo do seu canal, remédios naturais, e tratamentos alternativos, a doença. A queda durante os meses de julho e agosto pode ser relacionada às críticas feitas pelo médico à indústria farmacêutica pela promoção de um remédio caro, ao invés da Ivermectina, de acordo com o médico devido a diferença de preço.

De maneira oposta, o perfil do Dr. Galvão apresenta uma média geral maior, caindo significativamente principalmente no mês de setembro. Isso pode ser devido a abordagem responsável no início do período inicial da pandemia, abordando o tema com o cuidado e delicadeza necessários para uma situação como essa. A queda vertiginosa em setembro pode ser relacionada principalmente à única postagem do médico sobre a pandemia neste mês. A postagem defende a reabertura de escolas com algumas medidas de proteção sendo tomadas. Essa abordagem causou uma reação em seus seguidores discordando do médico, o que pode ser o fator determinante para essa queda.

O médico Dr. Felipe Ades teve uma abordagem diferente quanto ao assunto da pandemia. Como o médico se foca em conteúdos oncológicos, sua especialidade, o Dr. Felipe evitou o tema do covid em seu perfil. Ele começou com abordagens sobre o vírus durante o mês de março, sempre relacionando o SARS COV-2 ao câncer, cuidados que estes pacientes devem tomar, entre outros, mudando durante esse mês o conteúdo, abordando a quarentena e o isolamento social. Manteve essa linha até o mês de maio, sempre que citava o covid, algo não tão frequente em seu canal. Após o mês de maio, o médico parou de abordar esse tema em seu perfil, até os meses de agosto e setembro, quando voltou a abordar o tema. O score de sentimento ter sido em geral menor que os outros perfis analisados pode se dar devido ao público do médico.  Como o médico é oncologista, seu público, em geral, é de pessoas que tiveram, têm, ou convivem com alguém que tenha câncer. Devido aos perigos da doença, esse público pode se apresentar mais atento a perigos de saúde, que podem atingi-los mais gravemente. Isso pode ser a razão dos comentários no perfil do médico terem, em geral, um sentimento de preocupação e medo.

Com relação ao Dr. Fernando Gomes, podemos ver que, apesar de uma queda nos períodos finais de coleta, o teor dos comentários em seu perfil do Instagram se mantém majoritariamente positivo durante todo o processo. No entanto, mantém-se consideravelmente abaixo do score de sentimento do seu canal no youtube durante o mesmo período. Uma das possíveis causas para essa diferença é a presença um pouco mais frequente de posts que enfatizam mais a importância dos cuidados para evitar uma possível infecção, como o uso da máscara e o isolamento no geral, que não eram recebidos de forma tão agradável por parte do seu público. Apesar disso, como mencionado anteriormente, o score é positivo durante todo o período de coleta, mesmo na fase final em que há uma queda. Uma razão em potencial para esse comportamento é a mesma de seu canal no youtube, o fato de que, na maioria dos posts, o doutor tende a tratar o tema de forma “tranquila” e em certos pontos otimista, além da presença de diversos comentários contendo elogios de caráter pessoal, não relacionados ao coronavírus, direcionados ao Fernando Gomes em toda postagem.

Já no que diz respeito ao Dr. Lair Ribeiro, apesar dos scores do SentiStrength dos primeiros meses da coleta serem muito semelhantes entre o perfil do médico no instagram e seu canal no youtube, pode-se atestar que, a partir de junho, os dois gráficos seguem tendências contrárias. Uma das possíveis causas dessa divergência é que o Lair Ribeiro possui muito poucos posts relacionados ao coronavírus no seu instagram, diferentemente do seu conteúdo bem mais volumoso e crítico do youtube. Sendo assim, os comentários que foram coletados a partir de julho foram feitos com relação a posts antigos, do período de março até maio, majoritariamente elogiando o médico, enquanto no youtube a maioria dos comentários se tratava de reações a novos vídeos que evidenciam a evolução da pandemia.

Podemos reparar que o perfil do Dr. Júlio Pereira a média de sentimento é geralmente bem alta, durante todo o período, sendo ainda maior no mês de maio. Analisando o perfil do médico podemos notar uma grande quantidade de comentários elogiando e desejando o bem ao médico. O mês de destaque pode estar relacionado com as comemorações que o médico fez sobre o sucesso de seu canal no YouTube, que alcançou marcos durante o quinto mês do ano. A média positiva dos comentários pode se relacionar com o público estar preocupado com o bem estar do profissional, mandando constantemente congratulações e mensagens de agradecimento.

Se observarmos o gráfico da doutora Lucy Kerr podemos reparar que o score de seu perfil é num geral bem próximo do neutro.Isso pode ser devido ao fato de as pessoas perguntarem a médica coisas sobre automedicação, diagnósticos e prescrições médicas, muitas vezes não fazendo juízo de valor sobre algo. Podemos reparar também que o perfil da médica no instagram foi criado exclusivamente para tratar do tema da pandemia, por isso os dados coletados começam a partir do mês de maio.

Por fim, no que diz respeito ao Dr. Dráuzio Varella, nos períodos iniciais da coleta (até maio) de seu instagram o score do SentiStrength se distanciou consideravelmente do mesmo período no youtube. Uma das possíveis causas para esse comportamento é que, no instagram, durante o início da crise do coronavírus, Dráuzio postou um vídeo no qual se referia à infecção pelo vírus como algo “tranquilo” para a maioria das pessoas, vídeo esse que, logo depois do agravamento dos casos no país, foi apagado. Apesar de nos meses seguintes o médico ter tomado uma postura oposta à do vídeo em questão, é possível que ele tenha impactado seu público de forma a deixá-los mais despreocupados com o problema, gerando um teor de sentimento positivo nos comentários. No entanto, a partir de maio, as curvas dos dois gráficos (instagram e youtube) passam a se aproximar consideravelmente. Essa semelhança potencialmente passou a ocorrer pois o médico em questão passou a abordar a pandemia do Covid-19 de forma bem semelhante nas duas redes sociais, realista e objetiva no que diz respeito à gravidade da situação e precauções a serem tomadas.

Gráficos Individuais

Alain Dutra

Álvaro Galvão

Felipe Ades

Fernando Gomes

Lair Ribeiro

Lucy Kerr

Julio Pereira

Dráuzio Varella

Análise de tópicos

A modelagem de tópicos busca encontrar padrões nos textos estudados. Por meio de aprendizado de máquina e modelos estatísticos, é possível atribuir um tema a cada documento. No entanto, para o computador, esses temas não passam de uma distribuição estatística de strings (cadeias de caracteres). Logo, cabe ao cientista de dados gerar significados semânticos a cada coletânea de palavras. É esse tipo de tarefa que será realizada na análise de tópicos.

Análise de Tópicos dos Canais no Youtube

canal tópico contribuição palavras
0 Dr. Alain Dutra 2 0.983182 dias ivermectina tomar comprimidos deus covid dia pode dose kg parabens pessoas tratamento medicos tomei medico video uso obrigada protocolo
1 Dr. Alvaro Galvão 2 0.972147 dias ivermectina tomar comprimidos deus covid dia pode dose kg parabens pessoas tratamento medicos tomei medico video uso obrigada protocolo
2 Dr. Felipe Ades MD PhD 3 0.949774 dias cheiro deus olfato paladar dor sinto sentir gosto sintomas covid dia cabeca febre virus fiquei voltou teste meses falta
3 Dr. Fernando Gomes 2 0.916795 dias ivermectina tomar comprimidos deus covid dia pode dose kg parabens pessoas tratamento medicos tomei medico video uso obrigada protocolo
4 Dr. Lair Ribeiro Oficial 1 0.562083 virus video pessoas casa dias pode dia deus medico doutor brasil covid gente disse ficar saude falta falou sintomas ar
5 Dr. Drauzio Varella 1 0.988206 virus video pessoas casa dias pode dia deus medico doutor brasil covid gente disse ficar saude falta falou sintomas ar
6 Dr. Julio Pereira 3 0.999024 dias cheiro deus olfato paladar dor sinto sentir gosto sintomas covid dia cabeca febre virus fiquei voltou teste meses falta
7 Dra. Lucy Kerr 2 0.940943 dias ivermectina tomar comprimidos deus covid dia pode dose kg parabens pessoas tratamento medicos tomei medico video uso obrigada protocolo

Análise de Tópicos por Gênero no Youtube

Gênero Palavras
0 Feminino dias deus ivermectina tomar dia covid obrigada pessoas video virus pode sintomas medico casa parabens dor gente olfato comprimidos tomei
1 Masculino dias virus ivermectina video covid pessoas dia pode deus tomar medico sintomas comprimidos parabens brasil doutor olfato casa tratamento dor

Análise de Tópicos Temporal no Youtube

Gênero Palavras
0 0 meses atrás dias deus covid ivermectina dia cheiro olfato paladar meses sintomas dor virus parabens pessoas sinto video medico pode tomar gosto
1 1 mês atrás dias ivermectina deus tomar covid dia comprimidos pode sintomas pessoas medico tratamento kg dose virus medicos video protocolo parabens tomei
2 2 meses atrás dias deus tomar ivermectina dia covid sintomas pode comprimidos dor paladar olfato medico cheiro virus sinto video dose pessoas falta
3 3 meses atrás dias deus dia olfato covid sintomas virus paladar dor pode pessoas falta cheiro febre ar ivermectina medico casa sentir sinto
4 4 meses atrás virus dias dia casa pode pessoas deus video obrigada covid medico doutor nariz gente paladar ar ficar olfato sintomas saude
5 5 meses atrás video virus pessoas casa globo medico brasil disse falou fala doutor pode gente coisa janeiro presidente midia mundo deus antes

Análise de Canais por Gênero no Youtube

LIWC

Com o crescente número de usuários nas redes sociais, diversos trabalhos procuram realizar uma análise linguística das postagens. Dentre os objetivos para a realização de certas análises, busca-se compreender e determinar o padrão da escrita, o comportamento politico e social de um determinado grupo ou até mesmo, entender o comportamento a partir de características sociodemográficas, como gênero e idade. 

Uma ferramenta bastante utilizada nos estudos de análise linguística é o LIWC - Linguistic Inquiry and Word Count). O LIWC é uma IDE que conta e classifica palavras de acordo com o grupo semântico ao qual elas pertencem segundo um dicionário pré-determinado.  Alguns dos grupos englobam, por exemplo, palavras que são amigáveis (friendly), positivas, negativas, cognitivas e saúde. Desse modo, o LIWC verifica os posts dos usuários e calcula a proporção de palavras que os compõem um determinado cluster semântico. 

No estudo em questão, fizemos uso do dicionário LIWC 2007 para simular as ferramentas disponíveis na IDE em comentários de canais do Youtube e perfis do Instagram. Primeiramente, fez-se uma contagem da quantidade que cada grupo semântico aparece nos textos analisados. Em seguida, utilizou-se desses números para fazer cálculos de proporções em diferentes subcorpus dos textos analisados , visando analisar e comparar o conteúdo entre eles.

3 análises de subcorpus diferentes foram feitas e estão apresentadas a seguir:

Análise por canal no Youtube e Instagram:

  • Número de termos do grupo semântico em determinado canal/número de palavras classificadas no respectivo canal.

Gráfico 14: Proporção dos grupos semânticos no canais do Youtube examinados

É possível notar que o canal do Dr. Fernando Gomes se destaca positivamente nos grupos semânticos affect, bio, health e posemo. Isso quer dizer que, de um modo geral, palavras relacionadas à estes grupos semânticos tiveram destaque no canal, como por exemplo a palavra "dor", que se encaixa no grupo semântico Biological Processes (bio). Assim como as palavras "amargo", encontrada no grupo semântico Affective Processes (affect), a palavra "bem", atribuída ao grupo semântico Positive Emotions (posemo).
A recorrência das palavras pode estar relacionada com o videocast "Corona Sem Neura", um projeto que se iniciou no canal do médico assim que os números de infectados pelo coronavírus começaram a subir no Brasil.
No videocast, ele discute com um ou mais convidados (em sua maioria, médicos como ele) vários assuntos relacionados à pandemia e abre a possibilidade de dúvidas serem retiradas por meio dos comentários, o que é um indício do motivo de tais grupos semânticos terem se destacado.

No canal do Dr. Júlio Pereira ocorre um destaque mais expressivo em três dos grupos semânticos analisados: percept, motion e feel. Estes grupos semânticos abrangem, dentre outras, palavras como "ver", "sentir", "ouvir", "andar", "mover", "ir".
A princípio, esse destaque pode estar relacionado com o upload de vídeos nos quais o médico orienta a população, esclarecendo informações referentes aos tipos de teste existentes, sobre quais circunstâncias alguém deve fazer os testes, sobre os tipos de máscara disponíveis e a eficácia de cada tipo, sobre o uso de máscara para pessoas que já contraíram o vírus, dentre outros.


Gráfico 15: Proporção de palavras dos grupos semânticos por perfil do Instagram.

No Instagram, o perfil do Dr. Júlio Pereira se destaca nos grupos semânticos affect, posemo e, sobretudo no grupo relig.
Isso pode estar relacionado com a utilização de ditos como "Graças à Deus" nos comentários. Termos como este são comumente usados como uma forma de expressar alívio em relação às informações dos posts.

Além disso, os canais dos doutores Lair Ribeiro e Lucy Kerr se destacaram nos grupos bio e social.
Estes grupos abrangem, dentre outros, palavras como "comer", "sangue", "dor" para o grupo bio, e "irmão", "amigo", "menino" para o grupo social.
A princípio, a recorrência do uso destes termos nos canais supracitados, pode estar atrelada ao fato de que, ambos os médicos (em especial a Dra Lucy Kerr) defendem e divulgam o uso do Tratamento Precoce (Cloroquina e Ivermectina) para casos de covid-19, o que abre espaço para que dúvidas e discussões relacionadas à estes medicamentos e seus possíveis efeitos colaterais sejam expostas nos comentários.

Análise por tempo no Youtube e Instagram:

  • Número de termos do grupo semântico em determinado mês/número de palavras classificadas no respectivo mês.

Gráfico 16: referentes ao Youtube

Na análise por tempo feita no YouTube, podemos notar que palavras referentes aos grupos semânticos affect, bio, ingest, percept, posemo, social e time foram bastante utilizadas.

Isso provavelmente está relacionado com o fato de que, devido a duração da pandemia, quem comentou nos canais dos médicos permaneceu acompanhando os vídeos,  tirando dúvidas e usando a seção de comentários como um meio de troca e interação referente aos assuntos pertinentes à pandemia.

Gráfico 17: referentes ao Instagram

Já na análise temporal referente ao Instagram, os grupos semânticos affect, bio, body, ingest, percept, posemo e social tiveram destaque.

Sobretudo em janeiro, o que pode indicar que termos presentes nesses grupos semânticos aumentaram. Fatos como a difusão das notícias sobre o crescente número de casos, falta de leitos, número de mortos, o engajamento das pessoas a respeito de sintomas (febre, dificuldade para respirar), tratamentos (tratamento precoce, uso de ivermectina e cloroquina) e uso de máscara (N95, eficácia das máscaras) impactaram os comentários.

  • Número de termos do grupo semântico em deteminado mês/número de palavras classsificadas em todo período analisado

Gáficos referentes ao Youtube:

Na análise feita para dados de todo o período do Youtube, podemos notar que, sobretudo em abril e agosto, todos os grupos semânticos foram menos utilizados. Já no mês de março e julho, houve um aumento na utilização de palavras de todos os grupos semânticos.

Isso pode se relacionar com as tentativas feitas para tentar conter o avanço do coronavírus, o que nos meses de abril e agosto pode ter gerado uma falsa sensação de segurança na população, fazendo assim com que houvesse a diminuição do engajamento no YouTube.

Gráficos referentes ao Instagram:

No Instagram, todos os grupos semânticos foram bastante utilizados nos meses de março, abril e maio.

Isso condiz com o começo do agravamento da pandemia, o que consequentemente aumentou a apreensão das pessoas sobre o coronavírus, gerando assim um engajamento maior nos perfis que tratavam desses assuntos.

Análise por gênero no Youtube:

  • Número de termos do grupo semântico em determinado canal e gênero/número de palavras classificadas no respectivo mês e gênero.

Podemos notar que, de um modo geral, pessoas do gênero masculino e feminino comentam nos canais sobre os mesmos assuntos

Apesar disso, podemos notar que alguns dos grupos semânticos se destacam em um ou outro gênero.
Por exemplo, no grupo semântico work, grupo esse que abrange palavras como "trabalho", "chefe", "classe", podemos notar um destaque do gênero masculino, sobretudo no canal do médico Fernando Gomes.

Por outro lado, podemos notar que o gênero feminino se destaca nos grupos semânticos bio, health e body, grupos esses formados por palavras como: "comer", "dor" e "tosse".

  • Número de termos do grupo semântico em deteminado mês e gênero/número de palavras classsificadas em todo período analisado

Observando a análise feita em todo o período, podemos notar que a semelhança na quantidade de comentários dos dois gêneros se mantêm, na maioria dos canais.

Isso aponta, dentre outras coisas, que o engajamento das pessoas se manteve durante o tempo, sendo assim, a divulgação de vídeos com assuntos relacionados a pandemia, feita nos canais dos médicos, obteve um público médio constante durante o período avaliado.

Discussão

A politização de questões sobre saúde não é inédita nem originária da pandemia de covid-19. Dos movimentos contrários à vacina, com destaque para a revolta do início do século XX e as reformas urbanas e sanitárias até a fundação do SUS, a saúde pública está presente nos debates da esfera política. No entanto, o cenário da chegada do coronavírus ao Brasil foi marcado por polarização e disputas de discursos políticos e médicos. A ideologização da pandemia, portanto, fez com que a saúde pública se imbricasse por um campo de controvérsias científicas, desagregação das medidas de prevenção e tratamento, manipulações deliberadas de discursos, notícias e informações que dificultam e retardam o controle da doença, elevando o número de infectados e de óbitos.

Neste sentido, as redes sociais exercem papel fundamental na ampliação dos discursos, sejam eles baseados em fontes autorizadas ou não.

A busca de medicações e tratamentos eficazes contra o coronovírus trouxe à tona tratamentos baseado em cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina e vitamina D. No dia 21 de março, o presidente Jair Bolsonaro, abertamente a favor do uso da cloroquina declarou que o  laboratório do Exército brasileiro produziria o medicamento em larga escala.

Embora não houvesse nenhuma comprovação científica que justificasse o uso dessa medicação e, mais tarde, fosse comprovada, a ineficácia e os riscos que a medicação trazia, ela continuou sendo divulgada e administrada como medida de terapêutica no Brasil, tendo seu uso defendido por diversos médicos no país.

Dentre os oito perfis de médicos que foram analisados, podemos destacar principalmente as redes do Dr. Alain Dutra, Dr. Álvaro Galvão e Dra. Lucy Keer. Nos gráficos de co-ocorrência de palavras coletados a partir dos comentários em seus vídeos do Youtube, observamos a presença forte do termo Ivermectina, medicação relacionada ao chamado ‘tratamento precoce’ da COVID-19 e indicada de forma profilática nos estágios iniciais da doença.

Dr. Álvaro teve seu nome envolvido em uma polêmica, devido a publicação de um vídeo em 26 de junho na plataforma Youtube no qual afirma que a população do continente africano havia controlado a pandemia utilizando a ivermectina. Essa informação foi desmentida por diversos veículos de comunicação, que confirmaram não haver evidências para afirmar que a ivermectina previna a evolução da doença. A repercussão deste vídeo impactou na reação de seu público com relação ao seu conteúdo, podendo ser vista nos gráficos de análise de sentimento. É evidente a brusca queda da força do sentimento positivo de abril até junho, mês de publicação do vídeo.

Já os perfis do Dr. Felipe Ades, assim como os do Dr. Drauzio Varella, advertem sobre o uso dos medicamentos relacionados ao tratamento da COVID-19. Eles reforçam o perigo da automedicação, a falta de estudos para defender a eficácia destes medicamentos, assim como sua prescrição aos pacientes. Em vídeo gravado em 28 de abril de 2020 e publicado dia 19 do mesmo ano na plataforma Youtube, Felipe Ades afirmou que “É importante a gente não ter posições políticas apaixonadas defendendo remédios porque isso aí é só apenas a ciência, a gente tem que descobrir qual é a verdade científica.” Em entrevista para o programa Bom Dia Rio Grande, Dr. Drauzio Varella afirma sobre a prescrição de medicações não comprovadas para COVID-19 no Rio Grande do Sul: “Eu acho um absurdo. Os médicos não podem entrar nessa de ficar prescrevendo medicações sem conhecer a literatura. Eu, sinceramente, acho isso uma irresponsabilidade.”

A forma como o discurso científico é colocado nas redes sociais a partir de diferentes posicionamentos ideológicos traz reflexões sobre como a pandemia de COVID-19 foi mobilizada para além da saúde pública, gerando politização e ideologização da ciência.

As redes sociais exercem papel fundamental na ampliação dos discursos, sejam eles construídos através de fontes científicas autorizadas ou de hipóteses, achismos e experiências estritamente individuais. A abrangência das redes e a possibilidade de compartilhamento imediato de informações trazem ao debate o descaso pela ciência e a conformação da polarização já anteriormente vivenciada pelo país e elucidada nas eleições presidenciais de 2018. Nessa perspectiva, o “peso de autoridade” dos médicos e políticos legitima o teor ideológico dos seus posicionamentos sobre medidas ditas de prevenção e controle da pandemia, pela desvalorização pública da ciência, pela disseminação de informações falsas e pela tomada de decisões desarticuladas.