E Você, O Que Você Quer saber o Que Sobre a COVID-19?

Quem nunca fez uma prova onde só caíram perguntas sobre aquele capítulo do livro que você não leu? Pior, já aconteceu de ler uma pergunta e não entender nada do que estava escrito, mas depois, conversando com o colega de classe, viu que a pergunta era fácil?

Não é fácil cair em uma dessas duas situações, ou quem sabe, nas duas ao mesmo tempo. Mas existem algumas técnicas que podem aumentar suas chances de sucesso. No nosso caso, queremos aumentar as chances de sucesso da ANA poder te ajudar. Nesse post, vamos tentar fazer um paralelo entre as situações citadas acima com o nosso chatbot. Primeiro, estudar quais os tipos de pergunta podem ser cobradas com mais frequência na prova aumentam sua chance de estudar aquilo que mais cai, não é? Com a ANA não é diferente. Quando comparamos as perguntas feitas nos comentários de vídeos sobre a COVID-19 no canal do Dr. Drauzio Varella no Youtube com as perguntas mais frequentes que os usuários fazem no nosso chatbot, temos o seguinte gráfico:

Gráfico : Comparação entre tipos de dúvida mais frequentes nos comentários dos vídeos de Drauzio Varella no Youtube de março a junho de 2020 e os tipos de dúvida mais frequentes dos usuários no chatbot de julho a dezembro de 2020.

Vemos pelo gráfico que alguns temas são mais frequentes em ambas as plataformas. Por exemplo, dúvidas em relação aos sintomas da doença é o tema mais procurado tanto na ANA, representando 17,48% das 349 perguntas analisadas, quanto no canal do Drauzio Varella, representando 28,53% das 999 perguntas coletadas do canal. Além disso, vemos que as barras possuem aproximadamente a mesma altura em alguns dos outros temas, sugerindo que esses temas tiveram a mesma porcentagem em relação ao total de dúvidas nas duas plataformas. Podemos observar esse paralelismo nos temas: transmissão do vírus, tratamento, informações gerais e uso de máscara. A partir disso, podemos argumentar que o tipo de dúvida das pessoas sobre a COVID-19 foi o mesmo durante a nossa pesquisa, independente de onde elas buscaram informações sobre a doença.

Retomando nossa analogia do início do post, quando você faz simulados, respondendo várias perguntas sobre um mesmo tema, começa a entender as várias formas de se perguntar uma mesma coisa. Da mesma forma, para fazer com que todos os caminhos nos levem a Roma, ou melhor, para que a ANA consiga responder perguntas feitas de maneiras diferentes, mas que possuem a mesma resposta, é importante a construção de uma base de dados com os variados modos de se perguntar sobre uma mesma dúvida. Você pode entender melhor sobre o tema em: Estratégias e Desafios na Seleção de Perguntas para o chatbot ANA (colocar hiperlink)

Mas é importante lembrar: a pertinência de um tema ou a forma como se procura sobre ele varia de acordo com o tempo, principalmente no caso da COVID-19. Provavelmente nos dias atuais existem muitas perguntas sendo feitas sobre temas como tipos de vacina, segunda onda da pandemia e fases da vacinação. Ademais, com a popularização de conceitos e termos da biologia e de áreas da saúde devido a pandemia de COVID-19, perguntas com termos científicos que antes não eram amplamente utilizados podem aparecer com maior frequência. Esse é um dos maiores desafios no desenvolvimento de um chatbot como a ANA.

Agora, conta para a gente: você já conversou com a ANA e ela não te entendeu ou não tinha resposta para sua pergunta? Deixe seu comentário e ajude a melhorar nosso chatbot. Afinal, e você, quer saber o que sobre a COVID-19?

Achou interessante? Quer saber como funciona e se a ANA pode te ajudar? Para interagir com a ANA na nossa versão demonstração aqui ou na versão oficial já funcionando no site do Centro de Telessaúde da UFMG (veja os widgets no canto inferior direito da tela).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *